A maioria dos pais de crianças em idade escolar já ouviu falar em avaliação de aprendizagem. Mesmo que muito citado, o instrumento ainda é pouco compreendido.

O termo “avaliar” frequentemente é associado à realização de provas, atribuição de notas e critérios para aprovação ou reprovação. No entanto, o conceito diz respeito a algo muito mais amplo e complexo do que isso.

A avaliação está à serviço da aprendizagem, isto é, ela trabalha como uma ferramenta que norteia as ações pedagógicas durante o processo educativo. Contribui, dessa forma, para a identificação, diagnóstico, análise e resolução de deficiências — tanto dos alunos, quanto da própria metodologia utilizada.

Embora seja importante dar a devida atenção à forma e à qualidade do ensino que o seu filho recebe, isso não significa que a responsabilidade sobre o aprendizado dele seja inteiramente da escola. Para que as crianças alcancem um desempenho escolar satisfatório, a colaboração dos pais é mais do que significativa, ela é necessária.

Descubra abaixo algumas maneiras de participar da educação do seu filho e de saber se ele está efetivamente aprendendo!

Esteja atento à criança

Tudo o que acontece na vida da criança repercute em sua aprendizagem. Trabalhar em conjunto com a equipe pedagógica da escola, ou seja, fortalecer esse diálogo é o melhor caminho para acompanhar o seu rendimento nos estudos.

Busque o maior número de informações sobre o surgimento de problemas de disciplina, ocorrência de situações incomuns, bem como sobre como se dá a sua sociabilidade com colegas, professores e demais funcionários da instituição.

Esteja próximo de seu filho e atento às suas questões emocionais e físicas. Dificuldades sensoriais (visão e audição) ou transtornos psicológicos (como, por exemplo, a depressão) são, em muitos casos, os verdadeiros causadores do baixo aproveitamento.

Analise seus pontos fortes e fracos

O grande benefício da avaliação da aprendizagem é detectar as principais habilidades e dificuldades dos estudantes. O ideal dentro de um processo formativo é que o aluno deseje aprender, isto é, que tenha interesse, curiosidade e iniciativa própria.

Para tanto, é preciso não somente considerar os seus pontos fracos, mas também incentivá-lo a desenvolver ainda mais seus pontos fortes. Isso certamente ajudará a torná-lo uma pessoa autoconfiante, autônoma e entusiasmada com os estudos — o que se reflete diretamente em seu desempenho.

Ao invés de focar excessivamente na deficiência, procure estimulá-lo a melhorar, reforçando o quanto ele é capaz. Em outras palavras, torne-o ciente de suas conquistas e progressos!

Ajude no que for preciso

É claro que o incentivo à melhoria tem de vir acompanhado de toda ajuda necessária. Por exemplo, o auxílio dos pais durante a execução das tarefas escolares é, muitas vezes, determinante para o sucesso ou o insucesso do aluno.

Mas acalme-se, você não precisa ser nenhum expert nas matérias que o seu filho apresenta dúvidas! Até porque você não vai ajudá-lo se responder, de imediato, todas as suas perguntas.

Veja esse tipo de situação como uma oportunidade para pesquisarem ou aprenderem juntos determinados assuntos. Além de aumentar o vínculo entre vocês, isso tornará o aprendizado do seu filho mais concreto e efetivo.

Como procuramos demonstrar neste artigo, é possível — e desejável — que os pais compreendam o que significa a avaliação de aprendizagem e, mais do que isso, que sejam ativos no processo formativo dos seus filhos.

Lembre-se que quanto antes forem identificadas as suas dificuldades escolares, mais rápido e fácil será para superá-las!

E você, gostaria de aprender ainda mais sobre o universo escolar? Então, não deixe de conferir nosso post sobre o que deve ser avaliado no sistema de ensino de uma escola.

Autor

Tudo que você precisa saber sobre educação de qualidade para construir um futuro melhor.

Escreva um comentário